Laboratório de Neurotrauma e Biomarcadores

No Brasil a incidência de Trauma Crânio-Encefálico (TCE) é de aproximadamente 500 casos/ 100 mil habitantes O  TCE pode levar a morte prematura, alterações cognitivas e neuropsiquiátricas e comprometer a qualidade de vida dos sobreviventes.  Jovens de ambos os sexos são os principais grupos de risco. Em pacientes, o laboratório, coordenado pelo pesquisador Luis Portela, se dedica a investigar se as variações da concentração de substâncias cerebrais podem servir como indicadores clínicos e neurológicos após um evento de TCE. Genericamente, estas substâncias são denominadas de biomarcadores.  Em modelos experimentais, principalmente com roedores, são investigados mecanismos celulares e moleculares associados ao processo de neurodegeneraçao causado pelo TCE, bem como testadas estratégias farmacológicas e não farmacológicas de neuroproteção. Neste sentido, o laboratório está testando o impacto do uso de anabólico esteróides androgênicos e dietas no metabolismo cerebral após o TCE. O laboratório foi fundado em 2012 e conta atualmente com quatro doutorandos, um mestrando,  três estudantes de iniciação científica e um pos-doc.  São desenvolvidos projetos conjuntos e intercâmbio de estudantes com o Center for Brain Injury and Repair da University of Pennsylvania, Estados Unidos.

Endereço: Departamento de Bioquímica, ICBS, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Rua Ramiro Barcelos 2600, anexo. Cep: 90035-003 Porto Alegre/ RS. Telefone: (51) 3308-5557.